Home > ÁREAS TÉCNICAS > Cultura e Turismo > Secult lança edital para projetos de apoio à comercialização, promoção, estruturação e ordenamento turístico

Secult lança edital para projetos de apoio à comercialização, promoção, estruturação e ordenamento turístico

O Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), anunciou, nesta quarta-feira (29/6), um conjunto de ações para fomentar o turismo no Estado e fortalecer o Destino Minas Gerais em todo o mundo com o programa Minas para Minas, Minas para o Mundo 2022 – 2023. Foi lançado um edital que vai disponibilizar R$ 5 milhões para projetos de apoio à comercialização, promoção, estruturação e ordenamento turístico o que irá fortalecer a internacionalização promoção do turismo em Minas Gerais.

O edital foi anunciado pelo governador do Estado de Minas Gerais, Romeu Zema, no dia 23 de junho e foi publicado no Diário Oficial, no dia 29 deste mês. As inscrições estarão abertas de 4 a 29 de julho. O edital representa ainda o fortalecimento das parcerias do governo estadual com o setor privado na estruturação e promoção conjunta da marca Minas como destino.

Voltado exclusivamente ao repasse a municípios, o edital irá disponibilizar R$ 5 milhões para projetos de apoio à comercialização, de promoção, de apoio à estruturação e ordenamento turístico, sendo esta última categoria novidade em relação ao edital de 2021.  O objetivo é fazer investimentos de marketing para divulgar e promover o potencial turístico de Minas, o aumento do número de visitantes ao Estado e gerar, assim, mais empregos, renda e desenvolvimento socioeconômico.

A previsão é de investimento em 42 projetos, divididos em quatro territórios: Gerais + Minas, 16 projetos compreendidos por todo o estado mineiro; Via liberdade, 13 projetos ao longo do corredor cultural e turístico dos municípios mineiros que conectam o noroeste mineiro ao sudeste; o Mar de Minas, com seis projetos na região composta por municípios banhados pelos Lagos de Furnas e Peixoto, além da Região Metropolitana de Belo Horizonte, com sete projetos.

Ao todo está previsto o repasse de recursos para 16 projetos de apoio à comercialização (variando de R$ 100 a 150 mil para cada), 15 projetos de promoção (de R$ 100 mil para cada) e 11 projetos de apoio à estruturação e ordenamento turístico (de R$ 100 a 150 mil para cada), sendo esta última categoria novidade em relação ao edital de 2021.

Os proponentes deverão ser organizações sociais com sede em Minas Gerais que trabalham com turismo e que tenham uma oferta turística minimamente estruturada para receberem ações de apoio à comercialização, promoção e de apoio à estruturação e ordenamento turístico. Todos os projetos devem se vincular a destinos turísticos mineiros, valorizando a mineiridade presente em todo o estado, o turismo cultural, turismo de natureza, turismo de aventura, a cozinha mineira, turismo rural, turismo de negócios e eventos e o cicloturismo.

Nas ações de promoção está prevista contemplar projetos que tenham como objeto a criação e divulgação de materiais promocionais digitais de promoção turística, tráfego pago, ações com influenciadores digitais e demais veículos de comunicação, publicidade ou propaganda do destino, produções audiovisuais de valorização de destinos turísticos, merchandising, produção e aquisição de fotos e vídeos de alta qualidade de promoção do destino, desenvolvimento de aplicativos, website e implantação de melhorias, tradução de materiais promocionais, participação em feiras e eventos.

Já nas ações de apoio à estruturação e ordenamento turístico, categoria que trouxe novas possibilidades neste edital, serão contempladas ações que tenham como objeto elaboração de roteiros, rotas e produtos turísticos autoguiados, capacitação e/ou qualificação de setores do turismo regional, elaboração de Plano de Marketing Turístico, elaboração de marcas e identidade visual do destino, elaboração ou implementação de plano de gestão da segurança para atividades relativas a turismo de natureza, aventura ou turismo náutico, aquisição de equipamentos, como tablets, câmeras fotográficas e drones, ou ainda ferramentas, softwares que subsidiem a operacionalização de ações de marketing, como editores de fotos e criação de peças gráficas.

Fonte: Secult-MG