Home > Coronavírus > Gripe em tempos de coronavírus: população deve redobrar cuidados com a chegada da estação mais fria do ano

Gripe em tempos de coronavírus: população deve redobrar cuidados com a chegada da estação mais fria do ano

Especialistas alertam sobre cuidados para evitar gripes e resfriados durante o período de pico do coronavírus e quanto à importância da vacinação

Os gestores públicos e toda a população devem ficar atentos aos cuidados nesta época do ano, sobretudo com o início do inverno, para evitar a proliferação de casos de gripe comum em tempos de coronavírus. Isso porque a gripe comum leva muitas pessoas à internação e, neste momento, o objetivo é evitar o aumento de pacientes em observação nos hospitais.

No dia 21 de junho, começa o inverno, época em que é comum o aumento do número de pessoas infectadas por vírus da gripe. Causada por diferentes tipos de vírus, a gripe é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. Sua capacidade de transmissão é considerada alta, com tendência a se disseminar facilmente em epidemias sazonais.

A vacinação é a forma mais eficaz de prevenção contra a gripe e suas complicações. A vacina é segura e considerada uma das medidas mais eficazes para evitar casos graves e óbitos por gripe. Para garantir a cobertura vacinal de pelo menos 90% da população, o Ministério da Saúde adiou o fim da campanha deste ano para o dia 30 de junho.

Diante dos casos da Covid-19, o Ministério da Saúde recomenda que os municípios adotem uma série de estratégias para evitar aglomerações durante a vacinação nas Unidades Básicas de Saúde. Cada município terá autonomia para definir quais estratégias irá adotar, de acordo com sua realidade e cenário epidemiológico. Contudo, é recomendado que diferentes formatos de organização do processo de trabalho das equipes sejam adotados.

Saiba mais sobre a campanha de vacinação aqui.

Além da vacinação orienta-se a adoção de outras medidas gerais de prevenção para toda a população, comprovadamente eficazes na redução do risco de adquirir ou transmitir doenças respiratórias:

  • Lavar as mãos com água e sabão ou usar álcool em gel, principalmente antes de consumir algum alimento.
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal.
  • Cobrir o nariz e boca ao espirrar ou tossir.
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca.
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas.
  • Manter os ambientes bem ventilados.
  • Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe. Evitar sair de casa em período de transmissão da doença.
  • Evitar aglomerações e ambientes fechados.
  • Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos.

Cuidados com a pele

O inverno traz problemas, também, para a pele. O maior órgão do corpo humano merece cuidados no inverno, devido à umidade do ar baixa e às temperaturas mais frias, que levam à diminuição na transpiração corporal. Esses fatores fazem com que a pele fique mais seca. Além disso, nesta época, é comum tomarmos banhos mais quentes, que provocam uma remoção da oleosidade natural de forma mais intensa, diminuindo o manto lipídico que retém a umidade da pele.

Dicas para manter a pele hidratada:

  • Beber no mínimo dois litros de água por dia.
  • Evitar banhos quentes e muito demorados; evitar se ensaboar demais e usar buchas, que também contribuem para alterar a composição do manto hidrolipídico (hidratante natural produzido pelo organismo) que protege a pele.
  • Usar o hidratante logo após sair do box – ainda no banheiro – com aquele vaporzinho pós-banho, que ajuda na penetração do creme.
  • Para peles oleosas, e acneicas, evitar hidratante comum no rosto, usar oil free nas áreas de maior oleosidade (rosto e tórax).
  • Os lábios também costumam ressecar muito no inverno. É importante usar hidratantes específicos para essa região e, assim, evitar rachaduras.
  • Usar filtro solar diariamente.

Fonte para pesquisa: Ministério da Saúde e Sociedade Brasileira de Dermatologia. Fotos: Secretaria de Estado da Saúde de MG.

Mais informações com a assessora do departamento de Saúde da AMM, Juliana Marinho, pelo telefone (31) 2125-2433.