Home > Coronavírus > Covid-19: Ministério da Saúde publica documento com recomendações para os agentes comunitários de saúde

Covid-19: Ministério da Saúde publica documento com recomendações para os agentes comunitários de saúde

O Ministério da Saúde publicou documento com recomendações para adequação das ações dos agentes comunitários de saúde frente à atual situação epidemiológica referente ao covid-19. “Nosso desafio é informar cada cidadão brasileiro dos fatores que determinam esta doença e de que maneira podemos concentrar esforços para buscar seu controle. É necessário afastar esse perigo que ameaça todos  e  que  atinge  com  muita  força  os  idosos  e  pessoas  com  doenças  crônicas,  como hipertensos e diabéticos. Destacamos  seu  papel  enquanto  profissional  integrante  das  Equipes  de Atenção Primária à Saúde (APS) no que compete à promoção, prevenção e controle de agravos; e ao seu papel fundamental no reforço ao atributo derivado da APS denominado orientação comunitária.”

Competências dos agentes comunitários de saúde

  • Orientar a população sobre a doença, medidas de prevenção e sinais e sintomas.
  • Auxiliar a equipe na identificação de casos suspeitos.
  • Orientar, durante  as  visitas  domiciliares,  que  crianças  menores  de  cinco  anos  com  sinais  e sintomas respiratórios devem procurar a unidade de saúde. Caso o município e/ou a unidade apresentem fluxo próprios, os mesmo devem ser seguidos.
  • Orientar, durante as visitas domiciliares, que pessoas com 60 anos ou mais com sinais e sintomas respiratórios devem entrar em contato com a unidade de saúde. Caso o município e/ou a unidade apresentem fluxo próprios, os mesmo devem ser seguidos.
  • Auxiliar no atendimento por meio do FAST-TRACK COVID-19 (anexo 01 e 02) na identificação de pacientes sintomáticos, tomando os devidos cuidados de proteção e isolamento.
  • Auxiliar a equipe no monitoramento dos casos suspeitos e confirmados.
  • Fazer busca ativa de novos casos suspeitos de síndrome gripal na comunidade.
  • Fazer busca  ativa  quando  solicitado, principalmente,  em  casos  de  pacientes  que  se enquadram no grupo de risco (gestante, pessoas com doenças crônicas, puérperas e idosos) e não compareceram a unidade de saúde para a realizar a vacina contra influenza.
  • Organizar o fluxo de acolhimento de modo a evitar aglomeração de grupos com mais de 10 pessoas e, preferencialmente em ambientes arejados.
  • Auxiliar nas  atividades  de  campanha  de  vacinação  de  modo  a  preservar  o  trânsito  entre pacientes que estejam na unidade por conta de complicações relacionadas ao covid-19, priorizar os idosos.
  • Promover atividades educativas na unidade enquanto os pacientes aguardam atendimento.

Visitas domiciliares

As visitas domiciliares são uma importante ferramenta para informar, fazer busca ativa de suspeitos e acompanhamento de casos, mas, para a realização desta atividade é importante considerar alguns cuidados para garantir a segurança do paciente e do profissional.

  • Não realizar atividades dentro domicílio. A visita estará limitada apenas na área peri domiciliar (frente, lados e fundo do quintal ou terreno).
  • Priorizar visita aos pacientes de risco (pessoas com 60 anos ou mais ou com doenças crônicas não  transmissíveis  como  diabetes,  hipertensão,  doença  cardíaca,  doença  renal  crônica, asma, DPOC, doença cardíaca, imunossuprimidos, entre outras). Por serem grupo de risco, são os que precisam de mais cuidado também.
  • Manter distanciamento do paciente de no mínimo um metro, não havendo possibilidade de distanciamento, utilizar máscara cirúrgica.
  • Higienizar as mãos com álcool em gel.
  • Nos casos de visita às pessoas com suspeitas de Covid-19, sempre utilizar máscara cirúrgica e garantir uso de EPI apropriado.

Agente  Comunitário  de  Saúde  (ACS)  que  apresentar  febre  e  qualquer  sintoma  respiratório (tosse, coriza, dor de garganta, falta de ar, etc), deve permanecer em isolamento domiciliar conforme orientação do médico e/ou enfermeiro.

Agentes  Comunitários  de  Saúde  com  mais  de  60  anos  e/ou  condições  crônicas  (doentes cardíacos, doentes respiratórios crônicos, doentes renais em estágio avançados e em diálise, imunossuprimidoss  e  diabetes)  devem  trabalhar  na  Unidade  de  Saúde  em  atividades  de monitoramento e administrativas que não demandem atendimento ao público.

Orientações e cuidados durante os atendimentos na unidade de saúde

O ACS deve auxiliar a equipe na identificação de casos suspeitos também na unidade de saúde conforme fluxo Fast-Track para ACS que se encontra no anexo 01 deste material. Durante o atendimento dos pacientes com suspeita de Síndrome Gripal, deve ser utilizado EPIs e adotar as medidas para evitar contágio, conforme tabelas 01, 02 e 03.

Confira o documento com as orientações aqui.

Mais informações com a assessora do departamento de Saúde da AMM, Juliana Marinho, pelo telefone (31) 2125-2433.