Home > Comunicação > Notícias > Conquista: sancionada cessão onerosa com R$ 2,6 bi para municípios; CNM atua para que repasse ocorra em maio

Conquista: sancionada cessão onerosa com R$ 2,6 bi para municípios; CNM atua para que repasse ocorra em maio

Aprovada pelo Congresso, mais uma conquista se concretiza com a sanção da Lei 14.337/2022 nesta quinta-feira, 12 de maio. A medida autoriza o repasse de R$ 7,6 bilhões de cessão onerosa para estados e municípios. Agora, basta que o Tesouro Nacional faça a transferência dos recursos. A Confederação Nacional de Municípios (CNM) atua para que o repasse ocorra ainda em maio.

Do total do crédito liberado, R$ 4,67 bilhões serão destinados aos estados e mais R$ 334 milhões apenas para o Estado do Rio de Janeiro. Os municípios repartirão R$ 2,6 bilhões. As quantias podem sofrer pequena variação nos cálculos do Tesouro e já devem vir com o desconto de 1% referente à Contribuição para Formação do Patrimônio do Servidor (Pasep).

Referente à arrecadação em leilões dos volumes excedentes da cessão onerosa da Petrobras em áreas não concedidas do pré-sal, o valor foi viabilizado com a aprovação do Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) 3/2022. A liberação do recurso foi debatida na XXIII Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, no fim de abril. Na ocasião, tanto os parlamentares quanto o presidente da República, Jair Bolsonaro, se comprometeram em viabilizar a medida.

O presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, reforça a importância da conquista e da força do movimento municipalista. “São resultados da nossa atuação no Congresso e com o Executivo, por meio de muito diálogo. É esse caminho que precisamos seguir em busca de um pacto federativo mais justo e redistributivo”, avalia.

Presente em todos os movimentos em prol da aprovação da Lei 14.337/2022, o presidente da AMM e vice-presidente da CNM, Julvan Lacerda, comemora a conquista e ressalta que a união dos prefeitos de todo o País foi fundamental para a aprovação da pauta. “É uma conquista do municipalismo. Esses recursos da cessão onerosa podem ajudar demais os prefeitos mineiros a fazer novos planejamentos e projetos para atender a população dos municípios de Minas Gerais”, reforça.

Regras

A CNM alerta que o repasse cairá na conta bancária do FEP e será feito em dois momentos distintos, sendo que no primeiro serão contemplados todos os municípios, mas o recebimento do segundo repasse está condicionado ao envio da declaração de renúncia no Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro (Siconfi) da Secretaria do Tesouro Nacional – exigido na Lei Complementar 176/2020 para receber tanto compensações da Lei Kandir quanto arrecadação de excedentes da cessão onerosa.

O aceite de renúncia ocorreu em prazo pré-determinado pela Lei e já encerrado. Portanto, neste momento, só receberão o repasse os municípios que realizaram a ação no prazo. No entanto, a CNM segue atuante para que o Congresso aprove o Projeto de Lei Complementar (PLP) 60/2022, que reabre o prazo por 45 dias para que 144 Entes locais possam regularizar a documentação e receber as transferências federais citadas.

Além disso, a entidade ressalta que a Lei 13.885/2019 prevê o uso exclusivo dos recursos para pagamento de despesas previdenciárias do respectivo ente e de todas as pessoas jurídicas de direito público e privado integrantes de sua administração direta e indireta, ressalvadas as empresas estatais independentes, e com investimentos.

Confira aqui a estimativa da CNM com os valores que devem ser partilhados entre os entes locais de cada estado.

Leia o texto da Lei 14.337/2022 aqui.

Fonte: Agência CNM de Notícias