Home > Comunicação > Notícias > Campanha de Conscientização para Doação de Órgãos e Tecidos pretende chamar a atenção dos familiares sobre importância da doação

Campanha de Conscientização para Doação de Órgãos e Tecidos pretende chamar a atenção dos familiares sobre importância da doação

Com o intuito de diminuir a fila de espera e potencializar o número de doações, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), em parceria com a Central Estadual de Transplantes (MG Transplantes), deu início à Campanha de Conscientização para Doação de Órgãos e Tecidos, que busca incentivar o diálogo entre os familiares e que, nessa conversa, o desejo de doar seja mencionado, estimulando assim o processo de doação. A Associação Mineira de Municípios (AMM) apoia essa iniciativa e conclama as prefeituras mineiras a aderirem à campanha, na divulgação e conscientização da população local.

A mobilização teve início no mês passado, em referência ao Setembro Verde, e se mantém durante todo o ano, com diversas outras ações, uma vez que o processo de conscientização deve ser constante. Com a chamada: “Fale com a sua família. Doe órgãos!”, o foco da campanha é a comunicação entre o doador e seus familiares, já que serão esses últimos, de fato, os portadores da palavra final sobre autorizar ou não a doação, no momento oportuno.

Em reforço a esse comando, foi criado um selo que funciona como marca da campanha, em que se destaca o símbolo de um coração com os dizeres “Doe órgãos doe vida. Avise sua família”. Esse selo será utilizado não apenas nas peças da campanha, como também pelos parceiros de Mobilização Social da SES-MG, incentivando as conversas sobre a doação.

A campanha contempla peças como spot para rádios da Região Metropolitana de Belo Horizonte e interior, vinheta para TV Ônibus e TV Metrô, backbus e busdoor, flyers, VT para cinema e posts para redes sociais como o Facebook.

Plano Estadual

Na última semana, foi publicado o novo Plano Estadual de Doação e Transplantes de Órgãos e Tecidos de Minas Gerais. O objetivo do documento é reformular a política estadual de transplantes e, com isso, aumentar o número de doações de órgãos e tecidos, assim como o número de transplantes efetivamente realizados no estado de Minas Gerais.

Outra mudança proposta pelo plano é que o MG Transplantes, hoje vinculado à Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), depois de estudos e projetos, passe a ser vinculado diretamente à SES-MG, possibilitando assim agilidade nas ações e, consequentemente, um aumento de captação e doações. O novo plano propõe também campanhas sobre doação de órgãos durante todo o ano e não somente em setembro; a implantação até 2023 dos transplantes de pulmão e transplantes cardiopediátrico e hepatopediátrico; a realização de capacitações para os profissionais que atuam na área da procura, captação e transplantes; além de aprimorar o acompanhamento com metas e indicadores para os serviços de procura e captação de órgãos.

Transplantes no Estado

Atualmente, Minas Gerais conta com 17 equipes de rim, 7 equipes de fígado, 4 equipes de coração e 2 equipes de pâncreas/pâncreas rim. Somente neste ano, entre janeiro e agosto, 1.497 transplantes foram realizados em Minas Gerais, sendo a córnea e a medula óssea os tecidos mais frequentes, com 725 e 122 transplantes, respectivamente. Já quanto aos órgãos que figuram entre os transplantes mais comuns, está o rim, com 425 transplantes e o fígado, com 102. Para mais esclarecimentos sobre o assunto, entre em contato com o MG Transplantes por meio do telefone 0800 2837183.

Quero ser doador de órgãos. O que fazer?

Se você quer ser doador de órgãos, primeiramente avise a sua família. Os principais passos para doar órgãos são:

  • Para ser um doador, bastaconversar com sua família sobre o seu desejo de ser doador e deixar claro que eles, seus familiares, devem autorizar a doação de órgãos.
  • No Brasil, a doação de órgãos só será feita após a autorização familiar.

Pela legislação brasileira, não há como garantir efetivamente a vontade do doador, no entanto, observa-se que, na grande maioria dos casos, quando a família tem conhecimento do desejo de doar do parente falecido, esse desejo é respeitado. Por isso a informação e o diálogo são absolutamente fundamentais, essenciais e necessários. Essa é a modalidade de consentimento que mais se adapta à realidade brasileira. A previsão legal concede maior segurança aos envolvidos, tanto para o doador quanto para o receptor e para os serviços de transplantes.

A vontade do doador, expressamente registrada, também pode ser aceita, caso haja decisão judicial nesse sentido. Em razão disso tudo, orienta-se que a pessoa que deseja ser doador de órgãos e tecidos comunique sua vontade aos seus familiares.

Os órgãos doados vão para pacientes que necessitam de um transplante e estão aguardando em lista única, definida pela Central de Transplantes da Secretaria de Saúde de cada estado e controlada pelo Sistema Nacional de Transplantes (SNT).

Quais são os tipos de doador?

Existem dois tipos de doador.

  • 1 – O primeiro é o doador vivo. Pode ser qualquer pessoa que concorde com a doação, desde que não prejudique a sua própria saúde. O doador vivo pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea ou parte do pulmão. Pela lei, parentes até o quarto grau e cônjuges podem ser doadores. Não parentes, só com autorização judicial.
  • 2 – O segundo tipo é o doador falecido.São pacientes com morte encefálica, geralmente vítimas de catástrofes cerebrais, como traumatismo craniano ou AVC (derrame cerebral).

Fonte:(SES-MG)