Home > Comunicação > Notícias > Boletim Epidemiológico de Monitoramento de Dengue, Chikungunya e Zika registra mais de 40 mil casos no Estado

Boletim Epidemiológico de Monitoramento de Dengue, Chikungunya e Zika registra mais de 40 mil casos no Estado

A população está concentrando esforços no combate ao coronavírus, mas não pode se esquecer dos cuidados para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti, que transmite a Dengue, a Chikungunya e a Zika. Conforme o Boletim Epidemiológico de Monitoramento da Secretaria de Estado da Saúde (SES-MG), de 31 de março, já são mais de 40 mil casos no Estado.

Em 2020, Minas Gerais registrou 39.842 casos prováveis de dengue até o momento, com dois óbitos confirmados nos municípios de Medina e Carneirinho; 17 óbitos permanecem em investigação.

Em relação à Febre Chikungunya, foram registrados, em 2020, até o momento, 715 casos. Em 2019, foi confirmado um óbito por chikungunya no município de Patos de Minas; e existe um óbito em investigação. Em 2020, há uma morte em investigação no município de Campo Belo.

Já em relação à Zika, em 2020 foram registrados 236 casos prováveis, sendo 59 em gestantes.

» Confira AQUI o Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus da SES-MG (atualizado em 30/03/2020).

Dengue

No Brasil, a dengue foi identificada pela primeira vez em 1986. A principal forma de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti. Há registros de transmissão vertical (gestante – bebê) e por transfusão de sangue. A infecção por dengue pode ser assintomática, leve ou causar doença grave, levando à morte. Normalmente, a primeira manifestação da dengue é a febre alta (39° a 40°C), de início abrupto, que geralmente dura de 2 a 7 dias, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele.

Chikungunya

A Febre Chikungunya é uma doença transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Os principais sintomas são febre alta de início rápido, dores intensas nas articulações dos pés e mãos, além de dedos, tornozelos e pulsos. Pode ocorrer ainda dor de cabeça, dores nos músculos e manchas vermelhas na pele. Os sintomas iniciam entre dois e doze dias após a picada do mosquito. Cerca de 30% dos casos não apresentam sintomas.

Zika

O Zika foi identificado pela primeira vez no Brasil em abril de 2015. Os principais sintomas são dor de cabeça, febre baixa, dores leves nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão nos olhos. Outros sintomas menos frequentes são inchaço no corpo, dor de garganta, tosse e vômitos.

Cuidados

Ao apresentar os sintomas, é importante procurar um serviço de saúde. As ações de controle ocorrem, principalmente, na esfera municipal. Quando o foco do mosquito é detectado, e não pode ser eliminado pelos moradores de um determinado local, a Secretaria Municipal de Saúde deve ser acionada.

E a população pode ajudar ao combater os focos do mosquito. O que fazer:

  • Tampar os tonéis e caixas d’água.
  • Manter as calhas sempre limpas.
  • Deixar garrafas sempre viradas com a boca para baixo.
  • Manter lixeiras bem tampadas.
  • Deixar ralos limpos e com aplicação de tela.
  • Limpar semanalmente ou preencher pratos de vasos de plantas com areia.
  • Limpar com escova ou bucha os potes de água para animais.
  • Retirar água acumulada na área de serviço, atrás da máquina de lavar roupa.

Fonte: SES-MG. Foto: Pixabay.

Mais informações com a assessora do departamento de Saúde da AMM, Juliana Marinho, pelo telefone (31) 2125-2433.