Home > Comunicação > Notícias > Anvisa aprova uso emergencial da CoronaVac para crianças de 3 a 5 anos

Anvisa aprova uso emergencial da CoronaVac para crianças de 3 a 5 anos

A autorização de uso emergencial da Anvisa permite que crianças de 3 a 5 anos possam ser vacinadas no Brasil, onde receberão a mesma dose aplicada nas faixas etárias de 6 a 17 anos e nos adultos

Anvisa aprovou nesta quarta-feira (13/7) a ampliação da autorização de uso emergencial da vacina CoronaVac, que passa a incluir na bula do imunizante a faixa etária de 3 a 5 anos de idade. Os diretores votaram por unanimidade de acordo com o voto da diretora relatora. Na aprovação, a Anvisa não impôs restrição de aplicação para crianças de 3 a 5 anos imunossuprimidas.

Para a avaliação desta nova indicação para o imunizante contra Covid-19, a Anvisa analisou e buscou todos os dados disponíveis sobre a vacina e seu uso em crianças.

A análise contou com as informações submetidas pelo Instituto Butantan, com dados de pesquisas feitas no Chile, onde a vacina já é utilizada nesta faixa etária, resultados de pesquisas sobre vacinação contra Covid-19 no Brasil, pareceres das sociedades médicas convidadas, evidências de vida real e dados de literatura científica publicados.

A autorização de uso emergencial da Anvisa permite que crianças de 3 a 5 anos possam ser vacinadas no Brasil, onde receberão a mesma dose que, hoje, já é aplicada nas faixas etárias de 6 a 17 anos e nos adultos.

O pedido de ampliação de uso do Instituto Butantan foi protocolado na Anvisa no dia 11 de março de 2022. Desde então, os servidores da Anvisa fizeram uma série de reuniões e avaliações de todos os dados disponíveis para verificar a eficácia e segurança da vacina para este novo público.

De acordo com a diretora relatora, Meiruze Freitas: “Acredito que, devido ao histórico de uso extensivo da vacina CoronaVac em crianças de 3 a 17 anos na China e no Chile, em crianças e adolescentes de 6 a 17 anos no Brasil, e entre outros países, sem que tenham surgido alertas de segurança, considero que os gestores de saúde, com base na análise da circulação viral e das necessidades de saúde pública, podem orientar a vacinação com a CoronaVac em crianças a partir dos 3 anos de idade, principalmente, na população de maior risco e vulnerabilidade. Pela totalidade das evidências, concluo que os benefícios conhecidos e potenciais da vacina CoronaVac superam seus riscos para ampliar a aplicação da vacina em crianças com três anos ou mais”.

Como a  Anvisa analisou o pedido

Para esta análise, a Anvisa fez uma busca ativa por informações que permitissem verificar com clareza o benefício da vacina para a faixa etária de 3 a 5 anos, inclusive com informações conhecidas como “dados de vida real”, ou seja, de resultados em populações já vacinadas. A agência analisou os seguintes dados:

  • Instituto Butantan: dados submetidos pelo Instituto Butantan e que deram início ao processo de análise.
  • Relatório do Estudo – Projeto Curumim: avaliou a eficácia, segurança e imunogenicidade da vacina inativada (CoronaVac) para Covid-19 em crianças e adolescentes.
  • Relatório do Estudo Immunita, do Instituto René Rachou, Fiocruz Minas: estudo transversal de imunogenicidade, efetividade e reatogenicidade da vacina Coronavac.
  • Dados do Programa Vigivac, da Fiocruz Bahia: programa de efetividade das vacinas anti-Covid-19 no Brasil.
  • Dados de vacinação no Chile: a Anvisa contou com dados enviados por pesquisadores no Chile que acompanham a vacinação de crianças com a CoronaVac naquele país.
  • Pareceres de especialistas externos: para a avaliação, a Anvisa contou com os pareceres de especialistas externos convidados para auxiliar na avaliação da vacina. Os especialistas tiveram acesso aos dados de técnicos e de pesquisa da vacina. Participaram desta atividade a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco).
  • Dados de literatura científica publicados.

Histórico da vacina CoronaVac no Brasil

  • A vacina CoronaVac está autorizada para uso emergencial no Brasil desde o dia 17 de janeiro de 2021.
  • 20 de janeiro de 2022: a Anvisa autorizou a ampliação do uso da vacina para crianças e adolescentes de 6 a 17 anos de idade.
  • 14 de março de 2022: o Instituto Butantan solicitou a ampliação do uso para crianças de 3 a 5 anos.
  • 8 de abril: o Instituto Butantan solicitou a inclusão da previsão de dose de reforço para CoronaVac. Este pedido está em análise e depende da apresentação de dados e informações complementares.
  • 9 de julho de 2022: o Instituto Butantan fez a solicitação do registro definitivo para CoronaVac. O pedido está em análise pela equipe técnica.

Vacinas contra Covid-19 para crianças no Brasil

Atualmente, duas vacinas contra a Covid-19 estão autorizadas no Brasil: a vacina da Pfizer, a partir de 5 anos, e a vacina CoronaVac, a partir de 6 anos. A decisão de hoje autoriza a ampliação do uso da vacina CoronaVac para a imunização de crianças a partir de 3 anos de idade.

Saiba mais aqui.

Fonte: Anvisa

Foto: Fabio Marchetto/Agência Minas (arquivo)

Mais informações com a assessora técnica de Saúde da AMM, Juliana Marinho, pelo telefone (31) 2125-2433.