Home > AMM na imprensa > AMVAP – AMM alerta população sobre registro de mais de 30 mil casos de dengue em Minas Gerais

AMVAP – AMM alerta população sobre registro de mais de 30 mil casos de dengue em Minas Gerais

As chuvas de verão, além das inundações, trazem sérios problemas às administrações municipais com a proliferação do mosquito Aedes aegypti. Conforme o último Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus do Estado, feito nesta segunda-feira (25/02), até o momento, Minas Gerais registrou 30.352 casos prováveis (casos confirmados suspeitos) de dengue.

Em 2019, há 11 (onze) óbitos em investigação para dengue. Em relação à Febre Chikungunya, Minas Gerais registrou 509 casos prováveis da doença. Foram confirmados dois óbitos por chikungunya nos municípios de Coronel Fabriciano e Ipatinga em 2018; há um óbito em investigação. Em 2019, até o momento, não houve registro de óbitos suspeitos da doença. Já em relação à Zika, foram registrados 145 casos prováveis da doença em 2019, até a data de atualização do boletim.

O registro maior de casos é esperado para este período (meses quentes e chuvosos) devido à sazonalidade da doença. Dessa forma, o Estado está em situação de alerta para esse aumento no número de casos das doenças transmitidas pelo Aedes (dengue, chikungunya e zika).

As ações de controle da Dengue, Zika e Chikungunya são permanentes, ocorrendo durante todo o ano. Entre as ações desenvolvidas pela Secretaria de Estado da Saúde (SES-MG) para o enfrentamento ao Aedes estão:

Realização de reunião técnica com as regionais de saúde em setembro de 2018 para revisão das atividades do Programa Estadual de Controle das Doenças Transmitidas pelo Aedes;

Monitoramento dos indicadores municipais do PROMAVS (Programa de Monitoramento das Ações de Vigilância em Saúde do Estado de Minas Gerais). Entre todos os indicadores, um deles é referente à obrigatoriedade de cadastro dos agentes de combate a endemias (ACE) no CNES (Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde), pelo município, mantendo vínculo no serviço. Isso gera continuidade nas ações de prevenção e controle das arboviroses;

Elaboração dos Planos de Contingência Estadual e Municipais para prevenção e controle das doenças transmitidas pelo Aedes. A partir da fase em que o município se encontra algumas ações são desencadeadas pelo Estado.

Notícia original aqui.