Home > ÁREAS TÉCNICAS > Saúde > Notícias - Saúde > AMM apoia a campanha Outubro Rosa de prevenção do câncer de mama

AMM apoia a campanha Outubro Rosa de prevenção do câncer de mama

O antepenúltimo mês do ano é dedicado à prevenção do câncer de mama por meio da campanha nacional “Outubro Rosa”. A Associação Mineira de Municípios (AMM) apoia essa ideia que tem como objetivo conscientizar a sociedade – mulheres e, também, homens – da importância do exame da mamografia para o diagnóstico precoce de tumores na mama.

O movimento surgiu em 1990, na primeira Corrida pela Cura, em Nova Iorque, e desde então, vem sendo promovida anualmente na cidade. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades.

É o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não melanoma, respondendo por aproximadamente 28% dos casos novos a cada ano. O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença. Relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta idade sua incidência cresce progressivamente, especialmente após os 50.

Existem vários tipos de câncer de mama. Alguns evoluem de forma rápida, outros, não. A maioria dos casos tem bom prognóstico. Para o Brasil, em 2018, são esperados 59.700 casos novos de câncer de mama. Minas Gerais apresenta um risco estimado de 45,02 casos a cada 100 mil mulheres.

Fatores de risco 

Diversos fatores estão relacionados ao aumento do risco de desenvolver a doença, como: comportamentais, ambientais, genéticos, hereditários, idade e história reprodutiva (estímulo do hormônio estrogênio produzido pelo próprio organismo ou consumido por meio do uso continuado de substâncias com esse hormônio).

A idade, assim como em vários outros tipos de câncer, é um dos principais fatores que aumentam o risco de se desenvolver câncer de mama. Mulheres com histórico de casos de câncer de mama em familiares consanguíneos, sobretudo em idade jovem; de câncer de ovário; ou de câncer de mama em homem são consideradas de risco elevado para a doença.

Prevenção

A prevenção do câncer de mama não é totalmente possível em função da multiplicidade de fatores relacionados ao surgimento da doença e ao fato de vários deles não serem modificáveis. De modo geral, a prevenção baseia-se no controle dos fatores de risco e no estímulo aos protetores, especificamente aqueles considerados  modificáveis.

Estima-se que, por meio da alimentação, nutrição e atividade física é possível reduzir em até 28% o risco de a mulher desenvolver câncer de mama. Controlar o peso corporal e evitar a obesidade, por meio da alimentação saudável e da prática regular de exercícios físicos, e evitar o consumo de bebidas alcoólicas são recomendações básicas para prevenir o câncer de mama. A amamentação também é considerada um fator protetor.

O autoexame, quando a mulher apalpa a mama e as axilas, pode auxiliar na prevenção e no tratamento. Preste atenção a modificações como caroços na mama, axilas e no pescoço, cor avermelhada na pele e alterações no bico.

Apesar de ajudar, a análise da região afetada não determina sucesso no tratamento. No caso das mulheres, é importante a visita anual ao ginecologista e os exames de prevenção – ultrassom das mamas e mamografia, após os 40 anos.

Salienta-se, também, que a terapia de reposição hormonal (TRH), quando estritamente indicada, deve ser feita sob rigoroso controle médico e pelo mínimo de tempo necessário.

Sintomas

O câncer de mama pode ser percebido em fases iniciais, na maioria dos casos, por meio de alguns sinais e sintomas. A principal manifestação da doença é o nódulo, fixo e geralmente indolor. O nódulo está presente em cerca de 90% dos casos quando o câncer é percebido pela própria mulher.

A postura atenta das mulheres em relação à saúde das mamas, que significa conhecer o que é normal em seu corpo e quais as alterações consideradas suspeitas de câncer de mama, é fundamental para a detecção precoce dessa doença.

Mais informações nos site do Inca (aqui), no portal Outubro Rosa (aqui) e com a assessora do departamento de Saúde da AMM, Juliana Marinho, pelo telefone (31) 2125-2433.

Publicado em 1° de outubro de 2018.