Home > Comunicação > Notícias > AMM alerta população sobre os perigos da obesidade em tempos de coronavírus

AMM alerta população sobre os perigos da obesidade em tempos de coronavírus

Uma questão de saúde pública que precisa ser amplamente divulgada. A obesidade foi identificada com um dos fatores mais críticos para o agravamento da Covid-19, o que reforça ainda mais a importância de medidas para a redução de peso, como o acompanhamento médico e a adoção de hábitos saudáveis. O tema fica ainda mais em evidência após os últimos estudos. Em novembro de 2020, foi divulgada uma pesquisa norte-americana que revela a obesidade como fator até quatro vezes maior de risco de morte por covid-19.

Conforme o Ministério da Saúde, a obesidade é uma doença crônica que pode ser causada por fatores genéticos, psicológicos, sociais, metabólicos e, assim como o excesso de peso, aumenta o risco para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis, como as cardiovasculares, diabetes e alguns tipos de cânceres.

Para chamar atenção para o problema e estimular medidas para enfrentamento da doença, a Organização Mundial de Saúde (OMS) instituiu o Dia Mundial da Obesidade, celebrado em 4 de março, e a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) reforça informações relevantes sobre o tema e a importância dos cuidados com a saúde durante todo o ano.

Sobre o tema

As taxas de obesidade quase triplicaram desde 1975 e aumentaram quase cinco vezes entre crianças e adolescentes. Afeta pessoas de todas as idades e de todos os grupos sociais nos países desenvolvidos e em desenvolvimento, alcançando 650 milhões de pessoas em todo o mundo.

O indivíduo é considerado obeso quando seu Índice de Massa Corporal (IMC), calculado ao se dividir o peso pelo quadrado da altura, for maior ou igual a 30 kg/m² – ou mesmo abaixo desse valor, quando a circunferência abdominal ultrapassa 88cm em mulheres e 102cm em homens.

O Brasil tem mais de um quarto da população adulta com o quadro de obesidade, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados em outubro de 2020. Isto é, 26,8% dos brasileiros acima de 20 anos são considerados obesos e 6,7% dos adolescentes sofrem com a doença.

A má alimentação, o sedentarismo, fatores endócrinos e genéticos são questões que contribuem para a obesidade e o excesso de peso. O tratamento ideal é constituído por etapas como mudança de hábitos, reeducação alimentar e a prática regular de exercícios físicos. A adoção de hábitos saudáveis pode evitar o excesso de peso e as enfermidades desencadeadas pela obesidade.

Fontes para pesquisa: Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e Faculdade de Medicina da UFMG.

Mais informações com a assessora do departamento de Saúde da AMM, Juliana Marinho, pelo telefone (31) 2125-2433.