Home > ÁREAS TÉCNICAS > Jurídico > Notícias - Jurídico > STF decide que ISS deve incidir sobre atividades dos planos de saúde

STF decide que ISS deve incidir sobre atividades dos planos de saúde

O Supremo Tribunal Federal (STF) definiu, no dia 29 de setembro, que os municípios podem cobrar o Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISS) sobre a atividade desenvolvida pelas operadoras de planos de saúde. Por 8 votos a 1, prevaleceu o entendimento do relator, o ministro Luiz Fux, de que a atividade das operadoras se encaixa na hipótese prevista no artigo 156, inciso III da Constituição Federal, que atribui aos municípios a competência para instituir o Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza.

O STF fixou a tese de que: “As operadoras de planos de saúde e de seguro saúde realizam prestação de serviço sujeito ao Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza, previsto no artigo 156, inciso III da Constituição Federal”.

O julgamento começou no dia 15 de junho e foi retomado em 29 de setembro com voto-vista do ministro Marco Aurélio. Para ele, a cobrança é indevida, pois as operadoras não oferecem propriamente um serviço, apenas garantia de que a rede credenciada atenderá o usuário em caso de necessidade. Assim, quem executaria o serviço seriam médicos e laboratórios, entre outros.

No entendimento do ministro, o contrato visa garantir cobertura de eventuais despesas, no qual o contratante do plano substitui, mediante o pagamento de mensalidade à operadora, o risco individual por uma espécie de risco coletivo. Por isso, só a União teria competência para instituir tributo. Marco Aurélio, porém, foi o único a divergir do relator.

O caso chegou à corte depois que um hospital com plano de saúde próprio questionou a cobrança de ISS pelo município de Marechal Cândido Rondon (PR). O Tribunal de Justiça local havia declarado inconstitucional a lei municipal que permitia a incidência do imposto, na medida em que repete incidência prevista na Lei Complementar 116/2003, exceto quanto à base de cálculo. A questão da base de cálculo não foi analisada pelo Supremo.

Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.
Foto: Pixabay.
Publicado em 5 de outubro de 2016.

You may also like
AMM mobiliza senadores a aprovar substitutivo que dispõe sobre ISS
STF declara inconstitucionalidade na acumulação de cargos do MP
STF PROÍBE EMISSÃO PAGA DE GUIAS DE IMPOSTOS
AMM lamenta decisão do STF que impede apreciação dos vetos