Home > COMUNICAÇÃO > Municípios entregam carta ao presidente da Câmara

Municípios entregam carta ao presidente da Câmara

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, participou do encerramento do Encontro Nacional de Municípios e 5º Congresso Fluminense de Municípios, no último dia 9 de outubro, na cidade do Rio de Janeiro. Na ocasião, os presidentes da Associação Brasileira de Municípios (ABM), Eduardo Tadeu Pereira, e da Associação de Municípios do Estado do Rio de Janeiro (Aemerj), Anderson Zanon, entregaram uma carta de reivindicações dos prefeitos ao representante do Congresso e entre as propostas destacaram a necessidade de flexibilização da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) em virtude de crise.

O presidente da ABM apresentou as propostas formuladas pelos prefeitos durante os debates do evento, enfatizando as questões que são de governabilidade do Congresso, como a revisão de leis, e aquelas que não demandam repasse de recursos e, portanto, podem ser realizadas a curto prazo. “Os municípios estão passando por uma crise muito difícil e é claro que precisam de dinheiro. Mas há questões que podem ser resolvidas nesse momento com o apoio do Congresso”, afirmou Eduardo.

Entre as reivindicações da carta estão a retomada da CPMF e divisão dos recursos com os municípios; a criação de mecanismos que disciplinem a atuação do Poder Judiciário e dos órgãos de fiscalização e controle em relação às administrações municipais, que hoje enfrentam um processo intenso de judicialização da gestão; e a criação de uma Mesa Federativa no Congresso. A flexibilização da Lei de Responsabilidade fiscal ganhou destaque nas discussões, no sentido de desobrigar os prefeitos a cumprirem o teto da folha de pagamento.

Cunha reconheceu a situação de grande dificuldade dos prefeitos e acatou a maior parte do conteúdo da carta, rejeitando a aprovação da criação da CPMF ou de qualquer outro imposto, com a justificativa de que não quer repassar mais despesas para a população. Por outro lado, se comprometeu em encaminhar a flexibilização da LRF. “Não tem como os prefeitos cumprirem o teto das despesas com folha de pagamento. Ninguém mais vai querer ser prefeito no Brasil para ter a vida pública e privada acabadas depois do mandato. A flexibilização da LRF para que os municípios não fiquem em descumprimento com a queda da arrecadação é urgente. Tem que ser feita. Contem comigo para que a gente tramite com celeridade a aprovação dessa proposta”, afirmou, referindo-se aos procedimentos do Congresso.

Confira a carta na íntegra:

CARTA ABERTA DO 5º CONGRESSO FLUMINENSE DE MUNICÍPIOS E ENCONTRO REGIONAL DE MUNICÍPIOS SUDESTE REALIZADOS PELA  ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (AEMERJ) E ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MUNICÍPIOS (ABM)

Os gestores municipais, reunidos no 5º Congresso Fluminense de Municípios e Encontro Regional de Municípios do Sudeste, realizados nos dias 8 e 9 de outubro na cidade do Rio de Janeiro, vêm a público relatar a situação de extrema dificuldade administrativa e financeira que atravessam os municípios, para que a sociedade conheça melhor esse cenário e possa compreender os seus reflexos e consequências para a coletividade e para articular esforços políticos/institucionais buscando possíveis e urgentes estratégias de apoio aos municípios.

O eixo do pacto federativo está na relação entre três entes: Estados, União e Municípios. No entanto, outras esferas de poder também são importantes em seu contexto, como o Poder Judiciário e órgãos de fiscalização e controle, quando interferem nas políticas públicas, judicalizando a gestão; e o Congresso, ao aprovar leis com impacto nas administrações municipais sem apontar ou discutir alternativas com os municípios.

Essa realidade demanda o aprofundamento do diálogo entre as Prefeituras e o Congresso e, para isso, propomos a seguinte pauta:

1)    Criação de uma Mesa Federativa no Congresso

Implantação de um canal de diálogo permanente entre o Congresso e as entidades municipalistas, com reuniões periódicas, para que essas possam ser consultadas sempre que houver uma propositura que  possa afetar aos municípios.

2)    Revisão de pontos da Lei de Responsabilidade Fiscal

Flexibilização da lei em períodos de crise, principalmente no que diz respeito ao cumprimento do teto da folha de pagamento e ao endividamento dos municípios.

Inserir no artigo 62 uma cláusula que assegure que os municípios sejam ressarcidos pelas despesas que assumem de responsabilidade de outros entes.

3)    Revisão da Lei de Licitações

Atualização dos valores das modalidades de licitação e dispensa, previstos no artigo 23 e 24, I e II, da lei 8666/93, que hoje estão defasados em 197% (soma da inflação acumulada de maio de 1998 – data da fixação dos atuais valores dos diferentes tipos de licitação – a julho de 2015).

Extensão do Regime Diferenciado de Contratações (RDC), que hoje é utilizado pelo Governo Federal, para os municípios.

4)    CPMF

Propomos que a criação de qualquer nova taxa ou contribuição contemple os municípios, de forma que a divisão entre os entes federativos seja coerente com as demandas de cada um deles. No caso da CPMF, defendemos uma taxa de 0,38%, de forma que 0,09% seja destinado para os municípios.

5)    Judicialização da gestão

A interferência do Ministério Público e do judiciário na definição dos serviços que os municípios devem custear tem onerado os cofres públicos municipais, sobretudo na área da Saúde, com a imposição judicial  para oferta de remédios de alto custo. Reivindicamos que o Congresso defina, através de lei, o papel de cada ente federativo na oferta de serviços e regulamente a atuação do Ministério Público, dos órgãos de fiscalização e controle e do judiciário no âmbito da gestão municipal.

Apresentadas as propostas aprovadas por ocasião do 5º Congresso Fluminense de Municípios e do Encontro Regional de Municípios Sudeste no que tange aos temas de governabilidade do Congresso, colocamo-nos a sua disposição para expor de forma mais profunda essas questões e tantas outras e esperamos estreitar ainda mais o diálogo com o Congresso. Aproveitamos a oportunidade para reiterar a Vossa Excelência os protestos de elevada estima e consideração.

 Rio de Janeiro, 9 de outubro de 2015

 Anderson Zanon                                 Eduardo Tadeu Pereira

Presidente da AEMERJ                             Presidente da ABM

*Com informações da ABM

Publicada em 13/10/15

You may also like
Municípios devem regulamentar a Lei de Acesso à Informação
Elaboração de plano municipal de saneamento básico
Concurso global oferece U$ 9 milhões para municípios inovadores
Auxílio-Educação vai fomentar economia local