Home > COMUNICAÇÃO > Estrela do Indaiá fecha as portas em protesto

Estrela do Indaiá fecha as portas em protesto

A crise financeira vivida no Brasil já mostra reflexos diretos nas administrações municipais. Para conter gastos, a prefeitura de Estrela do Indaiá, no Centro-Oeste, foi a primeira a decretar recesso administrativo, no período de 27 a 31 de julho. A paralisação faz parte de um conjunto de medidas anunciadas pelo prefeito Tibúrcio Délbis para reduzir despesas como água, energia elétrica, telefone, combustível, dentre outros itens.

De acordo com a prefeitura, a paralisação não afetará os postos de saúde e hospitais. Os serviços serão oferecidos para a comunidade normalmente. Também está previsto para o período a suspensão de compras no âmbito do Poder Executivo, redução do uso da patrulha mecanizada, racionalização de viagens, dentre outras medidas.

Odecreto completo está disponível na página da prefeitura de Estrela do Indaiá

Paralisação

Assim como a prefeitura de Estrela do Indaiá, outras administrações municipais também decidiram paralisar seus serviços. Em função da mobilização prevista para agosto por algumas prefeituras do Estado, a Associação Mineira de Municípios (AMM) promoverá na próxima quinta-feira, 30 de julho, às 9h30, uma reunião na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), em Belo Horizonte, para mobilizar as demais administrações municipais e associações microrregionais.

Na ocasião, serão debatidas as principais demandas do Executivo municipal, dentre elas o descumprimento do repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) por parte do governo federal, o Fundo de Erradicação da Pobreza, Transporte Escolar e a Lei Robin Hood.

Publicado em 28/07/15

You may also like
Municípios devem receber parte da multa arrecadada com o projeto da repatriação
Estimativa populacional publicada pelo IBGE não traz grandes mudanças para o FPM em Minas Gerais
Municipalistas vão a Brasília e conseguem liberação de 1% do FPM para esta sexta-feira
Repasse do 1% do FPM previsto para julho deve somar R$3 bilhões