Home > COMUNICAÇÃO > Departamento de Comunicação > Notícias > AMM divulga carta de apoio aos municípios frente aos atrasos nos repasses de recursos para a área da saúde

AMM divulga carta de apoio aos municípios frente aos atrasos nos repasses de recursos para a área da saúde

A Associação Mineira de Municípios (AMM) atuando, sempre, em defesa dos ideais municipalistas, visando apoiá-los, informa que está acompanhando de perto os atrasos nos repasses dos recursos estaduais para a manutenção dos programas de saúde e buscando cumprimento do pagamento por parte do Estado.

O descumprimento na aplicação de 12% do orçamento para a saúde, pelo Estado, e dos compromissos ajustados e constantes dos mais variados documentos jurídicos pactuados e chancelados, bem como a ausência dos repasses relativos aos programas estaduais causam fortes impactos na gestão municipal.

De acordo com a Constituição Federal de 1988, em seu artigo 198, as ações de saúde são financiadas com recursos do orçamento da seguridade social da União, estados, Distrito Federal e municípios. A responsabilidade do financiamento do SUS é Tripartite, ou seja, União, estado e município.

Conforme o artigo 6º, da lei complementar 141, de 13 de janeiro de 2012, os estados e o Distrito Federal devem aplicar, anualmente, em ações e serviços públicos de saúde, no mínimo, 12% (doze por cento) da arrecadação aos municípios.

Além disso, os recursos destinados aos municípios mineiros estão consignados no orçamento da União e também do Estado de Minas Gerais e pactuados pela Comissão Intergestores Bipartite (CIB).

O descumprimento, pelo Estado, nos repasses de recursos para os municípios mineiros contrapõem a própria garantia do direito à saúde, definida pela Constituição, além de causar prejuízos à qualidade dos serviços da saúde pública.

O resultado dessa disfunção é facilmente observado pelas filas extenuantes de espera, falta de leitos, falta de medicamentos, atrasos de pagamentos dos profissionais, demora na marcação de exames e cirurgias, falta de remédios, entre vários outros problemas que causam riscos à saúde da população.

A cada dia que passa a situação se agrava e os municípios mineiros vêm, à duras penas, com seus recursos próprios escassos, tentando manter o funcionamento para que não cheguemos a um colapso do Sistema Único de Saúde.

A AMM está buscando, junto à Secretaria de Saúde do Estado de Minas Gerais, soluções às reivindicações apresentadas, de forma a garantir o pagamento dos recursos estaduais para, assim, amenizar o impacto financeiro nos municípios mineiros e garantir atendimento a toda população.

 

Foto: domínio público: doctor-840127_960_720

Publicado em 21 de junho de 2016.

You may also like
Atrasos nos royalties de Itaipu depende de PL na Câmara para ser liberado
Estimativa populacional publicada pelo IBGE não traz grandes mudanças para o FPM em Minas Gerais
Municípios cobram do governo estadual repasses atrasados da saúde
Repasse do 1% do FPM previsto para julho deve somar R$3 bilhões