Home > COMUNICAÇÃO > Notícias > AMM apoia a campanha “Novembro Azul” de combate ao câncer de próstata

AMM apoia a campanha “Novembro Azul” de combate ao câncer de próstata

O início do mês marcou a chegada do Novembro Azul, uma campanha nacional de conscientização sobre o câncer de próstata, uma glândula masculina que produz cerca de 70% do sêmen e exerce papel fundamental na fertilidade. A Associação Mineira de Municípios (AMM) reconhece e apoia a iniciativa como forma de prevenção e alerta aos homens que muitas vezes não procuram os médicos para a realização do exame.

O objetivo da campanha “Novembro Azul” é aumentar as chances de cura, pois o diagnóstico em fases iniciais da doença aumenta as chances de cura em 90% e permite oferecer um tratamento mais eficaz e menos agressivo.

No Brasil, a doença é a quarta causa de morte e corresponde a 6% do total de óbitos para grupos de homens com mais de 65 anos de idade. Atualmente, quando o tumor é considerado de baixo risco, não é necessário removê-lo, apenas é indicado o acompanhamento de sua evolução, o que é chamado de vigilância ativa.

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), em 2015, o câncer de próstata aumentou consideravelmente, apresentando 69 mil novos casos ao ano. Por esta razão, a prevenção e o diagnóstico precoce são essenciais para reduzir os riscos de incidência do câncer de próstata e as taxas de mortalidade.

Prevenção

Para a prevenção, a Sociedade Brasileira de Urologia recomenda que todos os homens com 45 anos de idade, ou mais, façam anualmente o exame de próstata, o que compreende o toque retal, aliado ao exame de sangue PSA (antígeno prostático específico, na sigla em inglês), que pode identificar o aumento de uma proteína produzida pela próstata, o que seria um indício da doença.

Segundo especialistas, o toque retal é considerado indispensável e não pode ser substituído pelo exame de sangue, ou por qualquer outro procedimento.

Tratamento

A escolha do tratamento mais adequado é conforme o estágio da doença e das caracteristicas de cada paciente. Pode ser por radioterapia, cirurgia, ou até por tramento hormonal.

Com informações do Portal Brasil e Portal da Urologia.

 Mais informações com a assessora do departamento de Saúde da AMM, Juliana Marinho, pelo telefone (31) 2125-2433.

 Publicado em 6 de novembro de 2017.